terça-feira, 29 de março de 2011

Lei, que lei?

O ser humano é complexo , isso todos nós sabemos.
Não é só nos domínios da psiquiatria, psicologia , sociologia , medicina ou filosofia que se fica a perceber essa complexidade. Na leitura de informação jurídica e de alguma legislação ficamos também com clara percepção dessa complexidade e por isso entendo a intrincada malha que a Lei tece para poder enquadrar o comportamento humano mas , c'o diabo não seria possível simplificar? será que tentar captar o detalhe da acção humana pela luz da lei será bom caminho?

Fico com a ideia que neste país , à complexidade natural do ser humano , se acresceu uma irracional e desmedida complexidade ao edifício legislativo e jurídico tornando -o num labirinto kafkiano , perigoso e ameaçador dos direitos , principalmente dos mais fracos.

Não será só por aqui com certeza que a teia da lei é complicada , mas fico com uma carregada impressão que por cá a coisa toma proporções gigantescas no que à confusão diz respeito.

Fico com a ideia que as portas ficam abertas para tudo. Para o sim e para o não , em simultâneo.

Depois é o descalabro que a toda a hora vimos noticiado na televisão e nos jornais. Acções , recursos e mais recursos até à exaustão ou ao esquecimento.Até que o tempo nos esgote.