segunda-feira, 23 de março de 2015


Flávio Félix ( FB ) - 23.03.2015 - Num comentário a um post de Rui Zink : também eu em tempos metamorfoseei-me de agrimensor contratado num processo Kafkiano a fingir um poeta que injectava metafisica no sangue. K tinha pessoa nos sonhos e fingia fingir ser um Almada perdido em puns metamorfoseado de pins. há manifestos futuristas desaguados em mim, num quarto de hospital que o meu pai não pagará! quero ser um K horpheusado de Álvaro em fuga num qualquer cais cinzento de Paris. Celebrai, cerebrai, que eu volto já!