quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Angola

A SIC passou hoje uma reportagem sobre Angola,

Retrato de um país com muitos recursos naturais mas cheio de pobres , governados por um tiranete , sua família e amigos que se perpetuam no poder deixando mais de 70% da população com menos de dois dólares por dia

As escolas não têm as condições mínimas , os alunos que as frequentam têm fome , não de conhecimento mas de alimento , pelo que , mais de 50% deles abandonam precocemente os estudos . Se os pais não têm dinheiro para comprar comida , que dizer de livros, cadernos ou lápis para os filhos .

Boa parte da população vive em casas de chapa , em bairros da lata. Outra nem isso tem . Ao mesmo tempo , em Luanda , o arredamento de um apartamento pode chegar aos 5.000 euros por mês.

Não há água canalizada ( mais de 80% das casas) e mesmo o acesso a pontos de água potável é difícil  de conseguir. As estradas , de um modo geral , estão em péssimo estado . Ter cuidados médicos é uma miragem para grande parte das pessoas

O Bairro da Tchavola , arredores da cidade de Lubango ( antiga Sá da Bandeira, sul de Angola) foi arrasado para dar lugar a um caminho de ferro e as pessoas quase não tiveram direito a realojamento , vivendo em casas feitas de chapa ou em tendas.

Na Catumbela ( província de Benguela) os jovens não têm trabalho , logo não têm futuro , sendo que muitos, são pais muito cedo , perpetuando - se assim a pobreza e a falta de futuro.

Angola tem um elevadíssimo índice de mortalidade infantil.

País desigual , com 25 milhões de habitantes , dos quais , 20 milhões vivem em situação de pobreza. Ao mesmo tempo , Angola tem um dos maiores consumos de champagne per capita do mundo. Luanda tem sido reabilitada a um custo gigantesco e exorbitante enquanto nas ruas , o lixo está por todo o lado , a céu aberto , fedendo e infectando. A grande parte da população urbana em Angola vive em bairros de lata ( musseques )

Nestes bairros não há centros de saúde , escolas , hospitais , creches . Os jovens não têm educação adequada e sem planeamento familiar , têm , com se disse ,  muitos filhos . Pobres criando pobres e pobres viverão.

José Eduardo dos Santos  vai nomeando os filhos , família e amigos para cargos de poder , beneficiando poucos , prejudicando quase todos

Nos hospitais , falta tudo menos os doentes . A febre amarela e o paludismo ( malária) têm morto muitas pessoas sem piedade. Os medicamentos são vendidos no mercado negro não existindo onde devem existir: nos hospitais e centro de saúde

A malária , que é o que tem morto mais angolanos , tem terreno fértil para progredir: o lixo não é recolhido porque o governo não paga a quem o devia fazer e as habitações não têm saneamento básico .

Neste cenário de gritante desrespeito pela vida humana , as despesas militares têm aumentado  e as da saúde e educação são reduzidas.

Os dinheiros que vêm do exterior em auxílio de tanta carência, são desviados pelos responsáveis dos organismos públicos que têm responsabilidades de o gerir e distribuir pela população

Quase não há oposição politica , por medo da opressão dos governantes e da sua polícia.

98% das exportações devem-se ao petróleo. Com a queda do preço do crude , a economia angolana passou por momentos de aflição e desespero. Há falta de imensos bens essenciais e quando os há , os seus preços aumentaram para valores proibitivos , principalmente  para quem deles mais necessita.

Rafael Marques , jornalista , que já esteve preso ( 6 meses ) , continua a levantar a sua voz contra a corrupção existente no país , muita dela com origem na família do ditador , que há 37 anos está no poder.  Os diamantes constituem outro negócio rentável , desta feita controlado pelos generais do MPLA

Os orgãos de comunicação social , quer os públicos quer os privados , nomeadamente a televisão , são controlados pelo regime , dificultando a tomada de consciência pelos habitantes do que realmente se passa no país.

Um país que tem tudo para ser um lugar promissor , tem um regime político que aperreia os que nele hoje habitam , comprometendo seriamente o seu futuro