quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Episódios

Mal dobrei a esquina do edifício , avistei S. que estava num pequeno grupo com mais duas mulheres bem em frente à porta larga da entrada principal , que eu julgava ainda fechada. Na esquina do hall exterior , encostadas e em silêncio , estavam F. e A. , porventura refugiando-se uma na outra , enquanto mais ninguém aparecia. Indeciso , como muitas vezes acontece , lá optei por me acercar das duas mulheres silentes , cumprimentando-as afavelmente. Ultimamente , tem - me acontecido muito uma coisa engraçada e simultaneamente estranha : um minuto parece durar muito mais que os sessenta segundos que tem . Por isso , não sei avaliar muito bem quanto tempo estive junto daquelas duas almas simpáticas e suaves . Fiz uma  pergunta que já há uns dois ou três dias lhes tinha feito e , claro , obtive a mesma resposta : sim , somos ambas de Lisboa , resposta dada desta vez por F. mas logo de seguida secundada por A. , num tom que não me pareceu de enfado , que talvez eu merecesse , pela duplicação da demanda. Mas não , não se me afigurou que tivessem ficado aborrecidas.