segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Um caminho pela frente

Dormi bastante. Mais que as oito horas que normalmente durmo. Acordei vazio , sem passado nem futuro . Por certo , tudo o me compunha , ficou dentro da noite ou se espalhou pelos sonhos que a esta hora partiram para o seu repouso em parte incerta.

Neste segundo dia do ano novo , está uma manhã cinzenta , ameaçando chuva . Poucos sons se ouvem. De vez em quando o vento dá uma varredela e depois tudo volta a ficar em silêncio. Deixei entrar e permanecer dentro de casa as duas gatas que às vezes tomam o pequeno-almoço comigo mas que logo depois retornam ao jardim , o seu lar habitual. Estão meias perdidas sem entender muito bem a razão de estarem tanto tempo no interior da casa mas devagar , timidamente , lá vão conhecendo novas divisões , explorando tudo o que delas faz parte:  sofás , cadeiras , prateleiras , etc. De vez em quando miam e movimentam-se por uns instantes um tanto desorientadas mas depois lá encontram um poiso onde se aquietam , que é coisa que os gatos fazem com superior mestria.

Não tenho a mínima ideia do que vou fazer dos dias que tenho pela frente .