quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Morte

A primeira vez que a Morte me mordeu o coração e me arrancou um pedaço , foi em setembro de 1985 , quando o meu Pai morreu. Depois , em fevereiro de 1990 , de forma súbita e sacana , fui de novo amputado , quando o meu Irmão Miguel parou definitivamente de respirar, inanimado para sempre. Se ainda não me tinha refeito do desaparecimento do meu pai , este segundo golpe , desferido à má-fila , marcou profundamente a minha vida , alterando-a para sempre.